Casa de Passagem: oficinas incentivam autonomia e reinserção social dos acolhidos
27 de maio de 2022 | 17h39

Casa de Passagem: oficinas incentivam autonomia e reinserção social dos acolhidos

Equipamento mantido pela Prefeitura em parceria com a OSC Casa do Caminho oferece acolhimento a pessoas em situação de rua, garantindo acesso a direitos básicos

Muito mais do que um abrigo, especialmente nas noites frias, a Casa de Passagem procura proporcionar às pessoas acolhidas pelo serviço de abordagem social, oportunidades de superar a exclusão e marginalização que caracterizam a vida nas ruas. Esse trabalho, além de oferecer moradia, alimentação e suporte psicossocial a pessoas em situação de rua, inclui oficinas profissionalizantes e socioeducativas que visam favorecer a autonomia e reinserção social dos acolhidos.

O equipamento, administrado pela OSC Casa do Caminho e cofinanciado pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura, atualmente abriga 52 pessoas, oferecendo oficinas de marcenaria, serralheria, tornearia mecânica e dança. Os artefatos produzidos nas oficinas profissionalizantes, muitos confeccionados com pallets e outros materiais reciclados, são utilizados na própria Casa de Passagem, como móveis e o portão de entrada da instituição, mas também são fabricadas peças sob encomenda.

As oficinas de dança, desenvolvidas em parceria com a escola Let’s Dance Atibaia com o objetivo de fortalecer a autoestima e desenvolver a autonomia corporal, começaram há cerca de dois meses, mas os resultados já são notáveis: “Temos percebido que esses momentos de descontração e convivência, além de permitir uma melhor expressão dos sentimentos e da subjetividade, tornam o ambiente mais humanizado e acolhedor, especialmente para as mulheres, ainda mais para as mulheres trans. Se antes elas eram minoria e acolhíamos uma ou duas mulheres a cada seis meses, hoje temos 11 mulheres acolhidas, duas delas trans”, explica a psicóloga Tatiane Barbosa.

Localizada no bairro da Boa Vista, a chácara onde funciona o projeto oferece ainda uma horta comunitária e uma cozinha de panificação. As cestas de verdura orgânica são comercializadas pela Casa do Caminho, gerando renda para as pessoas acolhidas e, na cozinha, em breve começará a funcionar uma escola padaria. A ideia é que as oficinas de panificação também atendam à demanda da Casa, que atende cerca de 200 pessoas, contando os programas de residência terapêutica e inclusiva.

O Fundo Social de Solidariedade também apoia com doações o trabalho desenvolvido na Casa de Passagem, que funciona de forma articulada com outros equipamentos, serviços e projetos socioassistenciais oferecidos pela Prefeitura. Focada na tarefa de cuidar das pessoas, sobretudo as mais vulneráveis, a Administração Municipal não tem poupado esforços para fortalecer vínculos familiares e comunitários, garantir direitos e gerar trabalho e renda, investindo intensivamente na área de Assistência e Proteção Social. Considerando apenas os serviços direcionados a pessoas em situação de rua – Casa de Passagem, Centro Pop, abordagem social e acolhimento – os investimentos chegam a R$ 1 milhão.

print