Vigilância Ambiental de Atibaia orienta sobre cuidados com morcegos
30 de dezembro de 2021 | 19h12

Vigilância Ambiental de Atibaia orienta sobre cuidados com morcegos

Eles costumam aparecer com mais frequência nos centros urbanos nesta época do ano; saiba quais cuidados tomar para evitar acidentes

Bem adaptados aos centros urbanos por conta da abundância de alimento e abrigo, os morcegos costumam aparecer nas residências e quintais com mais frequência no verão, época de reprodução e crescimento dos filhotes. Animais silvestres protegidos por lei, eles são importantes para o meio ambiente, realizando o controle da população de insetos, dispersão de sementes, polinização, entre outros benefícios. Entretanto, é preciso ter alguns cuidados, pois como todos os mamíferos, os morcegos podem transmitir raiva.

De acordo com a Divisão de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde, as espécies de morcego comumente encontradas na área urbana de Atibaia têm hábitos noturnos, alimentam-se principalmente de insetos, frutas, partes florais e néctar de flor e não atacam seres humanos e animais. Por não serem alvo de controle em Saúde Pública, só são resgatados em situações de risco, ou seja, quando são encontrados caídos ou pousados em locais não habituais à espécie.

Em 2021, foram resgatados 18 morcegos em situação de risco. Todos foram encaminhados para exame laboratorial no Instituto Pasteur e um deles teve resultado positivo para a raiva. Além do aumento nas ocorrências atendidas pela Vigilância Ambiental envolvendo morcegos, a queima de fogos da virada de ano pode assustá-los, fazendo com que procurem abrigo nas casas e a Vigilância Ambiental divulga algumas orientações sobre o que fazer se encontrar um morcego dentro de casa, caído ou pousado em local não habitual.

O mais importante é nunca tentar manusear ou tocar o animal, pois quando perturbado ou indevidamente manipulado, ele pode morder na tentativa de se defender. O correto é isolá-lo, colocando um balde ou uma caixa de papelão em cima, evitando o contato direto e acionar a Vigilância Ambiental em Saúde para o resgate seguro. Também não se deve tentar eliminá-los ou alimentá-los, alerta o órgão, pois além do risco à Saúde, são animais protegidos por lei e sua captura e extermínio é crime ambiental. No caso de acidentes envolvendo morcegos, procure imediatamente orientação médica nas unidades de Saúde ou de serviços médicos.

Se o animal estiver morto, em hipótese alguma jogue-o no lixo. Recolha-o com uma pá ou uma luva e entre em contato com a Vigilância. Outra orientação importante é manter a vacina antirrábica de cães e gatos em dia, pois caso estes animais entrem em contato com morcegos ou outros mamíferos infectados com o vírus da raiva, estarão protegidos e não se tornarão uma fonte de infecção. Se animais domésticos como cães e gatos tiverem algum contato ou morderem o morcego, procure assistência veterinária ou a Unidade de Vigilância em Zoonoses.

Para acionar a Vigilância Ambiental em Saúde, o atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas, pelo telefone (11) 4414-2459. Também há um celular exclusivo para emergências com atendimento via WhatsApp: 9-9528-5915.

print