Prefeitura de Atibaia presta orientações sobre como evitar escorpiões em casa
11 de dezembro de 2018 | 11h09

Prefeitura de Atibaia presta orientações sobre como evitar escorpiões em casa

Santa Casa de Atibaia é o ponto estratégico regional
no caso de acidente com animais peçonhentos

A chegada do verão, com temperaturas mais altas e maior probabilidade de chuvas, favorece o surgimento de um animal que pode representar um risco para a saúde das pessoas: o escorpião. Dessa forma, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde, destaca as condutas e recomendações que ajudam a evitar o surgimento e a permanência de escorpiões em áreas urbanas e, principalmente, dentro de residências.

Todas as espécies de escorpiões possuem veneno e podem injetá-lo para capturar suas presas, por meio do ferrão localizado na extremidade do telson (cauda). Os escorpiões não atacam o homem intencionalmente, e os acidentes geralmente ocorrem no momento em que o indivíduo encosta a mão, o pé ou outra parte do corpo no animal.

O ambiente natural modificado pelo desmatamento e pela ocupação do homem causa uma quebra na cadeia alimentar do escorpião, acabando também com seus locais de abrigo. Com a escassez de alimento, o escorpião passa a procurar comida e abrigo em residências, terrenos baldios e áreas de construção. Locais onde há acúmulo de matéria orgânica, entulhos, lixos, depósitos e armazéns atraem baratas pela disponibilidade de alimento e umidade, e os escorpiões têm por alimento principal justamente as baratas, portanto se deslocam aos lugares onde elas aparecem em abundância. É por esse motivo que os escorpiões surgem com tanta frequência dentro das residências. Comumente, os locais onde há proliferação intensa de escorpiões possuem um histórico de presença abundante de baratas.

Os grupos mais expostos ao risco são os de pessoas que atuam na construção civil, assim como crianças e donas de casa, que permanecem mais tempo no domicílio. Ainda nas áreas urbanas, estão sujeitos os trabalhadores de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, por manusear objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar alojados (escondidos).

Os escorpiões procuram alimento durante a noite, podendo entrar nas residências por meio de tubulações para fiação e encanamentos de esgoto, além de frestas de paredes, portas e janelas. Eles podem evitar a claridade do dia em lugares escuros e escondidos, como dentro de calçados, armários, gavetas, panos e toalhas em áreas de serviço e banheiros.

Se uma pessoa for picada por um escorpião em Atibaia, a orientação é de se dirigir imediatamente à Santa Casa de Atibaia, ponto estratégico de referência para que um tratamento adequado seja instituído em caso de acidentes com animais peçonhentos (cobras, aranhas e escorpiões).

A picada de um escorpião causa muita dor e pode representar sérios riscos à saúde, inclusive de morte. A Santa Casa de Atibaia fica na Praça Miguel Vairo, nº 104, Centro. Já a Secretaria Municipal de Saúde de Atibaia fica na Rua Bruno Sargiani, nº 100, Vila Rica. Telefone: (11) 4414-2220.

Confira orientações importantes sobre escorpiões:

Como proceder em caso de acidente?
As medidas devem ser adotadas de imediato e o tratamento instituído o mais rápido possível após o acidente.

O que fazer?
• Limpar o local da picada com água e sabão;
• Procurar orientação médica imediata e próxima ao local da ocorrência do acidente, lembrando que em Atibaia a referência para atendimento é a Santa Casa;
• Se for possível, capturar o animal e levá-lo ao serviço de saúde, pois a identificação do escorpião causador do acidente pode auxiliar o diagnóstico.

O que não fazer?
• Não amarrar ou fazer torniquete no local da picada;
• Não aplicar qualquer tipo de substância sobre o local da picada (fezes, álcool, querosene, fumo, ervas, urina, etc), nem fazer curativos que fechem o local, pois eles podem favorecer a ocorrência de infecções;
• Não cortar, perfurar ou queimar o local da picada;
• Não dar bebidas alcoólicas ao acidentado, ou outros líquidos como álcool, gasolina, querosene, etc, pois eles não têm efeito contra o veneno e podem agravar o quadro.

Em caso de picadas em crianças, é imprescindível o encaminhamento imediato a um serviço de saúde, para que a soroterapia seja instituída o mais rapidamente possível, dada a rápida progressão do envenenamento.

O que fazer para controlar a ocorrência de escorpiões?
As medidas de controle e manejo populacional de escorpiões baseiam-se na retirada/coleta dos escorpiões e modificação das condições do ambiente a fim de torná-lo desfavorável à ocorrência, permanência e proliferação destes animais.

Na área externa do domicílio:
• Manter limpos quintais e jardins e não acumular folhas secas e lixo domiciliar;
• Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados, e entregá-los para o serviço de coleta. Não jogar lixo em terrenos baldios;
• Limpar terrenos baldios situados a cerca de dois metros das redondezas dos imóveis;
• Eliminar fontes de alimento para os escorpiões: baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados;
• Evitar a formação de ambientes favoráveis ao abrigo de escorpiões, como obras de construção civil e terraplenagens que possam deixar entulho, superfícies sem revestimento, umidade etc;
• Remover periodicamente materiais de construção e lenha armazenados, evitando o acúmulo exagerado;
• Preservar os inimigos naturais dos escorpiões, especialmente aves de hábitos noturnos (corujas, joão-bobo, etc), pequenos macacos, quatis, lagartos, sapos e gansos (galinhas não são eficazes agentes controladores de escorpiões);
• Evitar queimadas em terrenos baldios, pois desalojam os escorpiões;
• Remover folhagens, arbustos e trepadeiras junto às paredes externas e muros;
• Manter fossas sépticas bem vedadas, para evitar a passagem de baratas e escorpiões;
• Rebocar paredes externas e muros para que não apresentem vãos ou frestas.

Na área interna do domicílio:
• Rebocar paredes para que não apresentem vãos ou frestas;
• Vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha;
• Reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas;
• Instalar telas nas aberturas dos ralos, pias ou tanques;
• Instalar telas nas aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos calafetados;
• Manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados.
• Examinar roupas (inclusive as de cama), calçados, toalhas de banho e de rosto, panos de chão e tapetes antes do uso;
• Usar luvas de raspa de couro ou similar e calçados fechados durante o manuseio de materiais de construção, transporte de lenha, madeira e pedras em geral;
• Manter berços e camas afastados no mínimo dez centímetros das paredes e evitar que mosquiteiros e roupas de cama esbarrem no chão;
• Tomar cuidado especial ao encostar em locais escuros e úmidos e com presença de baratas.

Observação: em áreas rurais, a preparação do solo para plantio pode promover o desalojamento de escorpiões de seu ambiente natural (barrancos, cupinzeiros e troncos de árvores abandonadas por longos períodos).

Crendices e perguntas frequentes
O escorpião ataca?
Não, o escorpião se defende. Ferroa apenas quando é molestado, para se defender, ou seja, quando alguém coloca a mão ou encosta nele intencionalmente ou sem perceber.

Se eu encontrar um escorpião na minha casa significa que encontrarei outros?
Provavelmente sim, mas não é algo obrigatório, pois nem sempre eles vivem em grupos. São animais solitários, porém em áreas urbanas concentram-se em locais de fácil acesso à comida e ao abrigo.

Os escorpiões formam ninhos?
Não, mas existem locais, principalmente em áreas urbanas, que favorecem o seu aparecimento em maior quantidade. Por outro lado, deslocam-se o tempo inteiro, sem necessariamente retornar ao mesmo local.

O escorpião sobe em vidro?
Não, os escorpiões não sobem em superfícies totalmente lisas.

Se um escorpião perder uma parte de seu corpo (pernas, cauda) ele consegue se regenerar?
Não, somente alguns exemplares, quando muito jovens, regeneram parte das pernas. Na fase adulta, não trocam mais de pele, portanto não conseguem regenerar partes perdidas. No caso de perda da cauda, o animal morre por perda de hemolinfa ou por obstrução do seu intestino, que termina no final da cauda. O telson não é um órgão vital para o escorpião mas a morte por falta de alimento pode ocorrer nas espécies que dependem do veneno para paralisar a presa.

O escorpião, quando colocado em uma roda de fogo, comete suicídio?
Não. Na realidade, o escorpião morre desidratado pela ação do calor intenso. Os movimentos que simulam uma ferroada nada mais são que reação de defesa a um agressor, no caso, o fogo.

Todo escorpião é venenoso?
Sim, todos os escorpiões possuem veneno e a capacidade de injetar este veneno. A diferença entre as espécies perigosas e não perigosas está na ação do veneno no homem.

O escorpião sempre usa o veneno para se alimentar?
Não, o escorpião só utiliza o veneno para se alimentar quando a presa é muito grande e precisa ser imobilizada. Nesse caso, a quantidade de veneno injetada é controlada de acordo com o tamanho da presa.

O escorpião usa todo o seu veneno em uma única picada?
Ele nunca utiliza todo o seu veneno em uma única picada e pode causar um segundo acidente imediatamente após o primeiro. Pode também picar e não inocular veneno, causando um acidente assintomático ou “picada seca”.

Do que depende a toxicidade do veneno de escorpião?
A toxicidade do veneno é diferente para cada espécie de escorpião, podendo variar dentro de uma mesma espécie. Acredita-se que as diferenças estejam relacionadas: à distribuição geográfica dos animais e às condições ambientais que determinam um tipo específico de alimentação, variações genéticas ou simplesmente variações fisiológicas entre espécimes.

Caso encontre um escorpião em seu imóvel, informar a Vigilância em Saúde Ambiental da Prefeitura da Estância de Atibaia por meio dos telefones (11) 4414-3350/3352.

Modo Texto