Secretaria de Saúde esclarece sobre sintomas e vigilância da varíola dos macacos
4 de agosto de 2022 | 18h11

Secretaria de Saúde esclarece sobre sintomas e vigilância da varíola dos macacos

Atibaia possui dois casos suspeitos da doença viral, também conhecida como monkeypox

Recentemente, cidades brasileiras e do exterior têm registrado aumento de casos de varíola dos macacos (monkeypox), uma doença viral que vem preocupando a Organização Mundial da Saúde (OMS). Atenta à questão, a Secretaria de Saúde de Atibaia destaca os principais sintomas, formas de transmissão e como proceder em caso de suspeita de infecção. Até o momento, Atibaia possui dois casos suspeitos da doença que aguardam resultados dos testes.

Os principais sintomas são febre, dor no corpo, náusea, cansaço e o aparecimento de lesões e feridas em algumas partes do corpo. O nome monkeypox se origina da descoberta inicial do vírus em macacos em um laboratório dinamarquês em 1958. Sua transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com animal ou humano infectado ou com material corporal humano contendo o vírus. Apesar do nome, os primatas não humanos não são reservatórios do vírus da varíola.

A transmissão entre humanos ocorre principalmente por meio de contato próximo/íntimo com lesões de pele de pessoas infectadas, como por exemplo pelo abraço, beijo, massagens, relações sexuais ou secreções respiratórias. A transmissão também pode ocorrer por meio de secreções em objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies que foram utilizadas pelo doente. Outro meio de transmissão é via placentária (varicela congênita). A principal forma de proteção é evitar contato direto com pessoas contaminadas.

Atibaia possui dois casos suspeitos em adultos jovens do sexo masculino, sendo um morador de Atibaia e um de outro município. São casos leves, orientados a permanecer em casa pelo período de 7 dias, e foram atendidos em hospital privado. Em caso de suspeita da doença, as unidades e os pronto atendimentos da cidade estão aptos para realizar a avaliação e, em caso de dúvidas, o morador pode entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica pelos telefones 4414-3354 ou 4414-3360, ou com o Ambulatório de Especialidades Sumico Ono (Praça Santo Antonio, 110 – Alvinópolis).

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o caso confirmado ou suspeito de varíola dos macacos deverá se manter em isolamento até que a erupção cutânea esteja totalmente resolvida, ou seja, até que todas as crostas tenham caído e uma nova camada de pele intacta tenha se formado.

Causada pelo vírus hMPXV (Human Monkeypox Virus, na sigla em inglês), a varíola dos macacos foi declarada emergência de saúde pública de interesse internacional pela Organização Mundial da Saúde em 23 de julho. A decisão foi tomada com base no aumento de casos em vários países, o que eleva o risco de uma disseminação internacional.

print