Em menos de 3 meses, “Cata Treco” coleta 150 toneladas de resíduos
26 de agosto de 2021 | 10h04

Em menos de 3 meses, “Cata Treco” coleta 150 toneladas de resíduos

Reformulado em junho deste ano, programa de coleta de materiais volumosos como móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos amplia volume recolhido

Sabe aquele sofá surrado que você precisa se desfazer para dar lugar ao novo? Ou aquela máquina de lavar roupa quebrada há tempos que está encostada num canto da casa, somente ocupando espaço? Em Atibaia, resíduos domésticos volumosos como móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos são recolhidos gratuitamente pelo “Cata Treco”, programa municipal de coleta que, desde junho de 2021, garantiu destinação ambientalmente adequada a aproximadamente 150 toneladas desse tipo de material.

De acordo com a Saneamento Ambiental Atibaia (SAAE), responsável pelo serviço, a ampliação do volume recolhido se deve a uma reformulação do sistema de coleta. Antes, ele funcionava por agendamento e, desde o dia 1º de junho, é realizado segundo uma programação semanal, disponível no site da SAAE através do link: http://www.saaeatibaia.com.br/Pagina.php?id=3 . De segunda a sexta, nas regiões atendidas pelo roteiro semanal do “Cata Treco”, basta conferir em qual dia da semana o serviço passa pelo seu bairro e deixar o material a ser recolhido na calçada. Entre 7h30 e 16h30 o “Cata Treco” passará recolhendo.

Em alguns bairros mais afastados (a lista também está disponível no site da SAAE), a coleta acontece aos sábados e apenas nesse caso é necessário agendar o serviço, o que pode ser feito por telefone (11) 4411-7491, WhatsApp (11) 9.4029-4218 ou ainda por e-mail atibaia@contrurban.com.br .

Descarte correto e geração de renda
A SAAE ressalta que o programa coleta apenas móveis – como sofás, poltronas, mesas, camas, colchões e outros –, eletrodomésticos (geladeira, fogão, forno, televisão etc.) e eletroeletrônicos (computadores, tablets, monitores, teclados, impressoras, câmeras fotográficas, aparelho de som, rádios, entre outras coisas).

Resíduos de construção e demolição; cabos e fiação; caixas d’água de amianto; lixo eletrônico como celulares, carregadores, pilhas e baterias; roupas; tanques de cimento; vasos de alvenaria; vasos sanitários; lâmpadas fluorescentes; resíduos de poda e galharias; latas com tinta, solvente ou produtos químicos não são recolhidos pelo “Cata Treco”. Esses resíduos necessitam de outros tipos de tratamento e, dependendo da classificação do material, devem ser encaminhados para o serviço de coleta mais adequado.

Classificados como resíduos volumosos – também chamados de inservíveis – os materiais recolhidos pelo “Cata Treco” causariam diversos prejuízos, principalmente ambientais, se fossem descartados em locais inadequados como córregos e terrenos baldios.

Ao garantir uma destinação ambientalmente adequada ao material descartado, o programa transforma o que seria lixo em benefícios não apenas ecológicos, mas também econômicos e sociais: as madeiras são acondicionadas em contêineres e destinadas para reutilização em processos produtivos, os metais são doados aos trabalhadores da Cooperativa de Reciclagem São José, no Caetetuba, e o que não é aproveitável recebe tratamento em aterro sanitário.

print